quinta-feira, 14 de junho de 2012

Instituto No Stress de meio ambiente

História

Desde o início do Século XX já se vislumbrava uma certa preocupação com o meio ambiente, porém, tratava-se de receio pautado em motivos particulares. Foi na década de 90 que o meio ambiente mereceu destaque pelo acontecimento que chamou a atenção de todo o mundo, a Cúpula da Terra, também conhecida como ECO 92, realizada no Rio de Janeiro. Outros eventos também sensibilizaram os indivíduos sobre a importância de cuidar da natureza para que as futuras gerações pudessem gozar de seus recursos, como a Convenção de Viena, a Convenção das Nações Unidas, entre outros. O Brasil começava a se acordar para as necessidades de preservação ambiental.

Em 1996 o Sr. Carlos Eduardo Guedes, hoje atual presidente do Instituto No Stress e sócio fundador do mesmo, em um encontro informal com o procurador geral do estado de Santa Catarina - SC, deparou-se com uma grave infração ao meio ambiente, principalmente, porque era um caso de reconstituição inicial da restinga nativa das dunas da Praia do Rosa, em SC. Já envolvido nessa questão, o Sr. Carlos Eduardo foi procurado pelo procurador geral de SC para conhecer a Procuradoria, o Ministério Público e, portanto, os meios legais e jurídicos de constituir, não só de fato, mas de direito, uma organização não governamental capaz de denunciar atos como esse, entre outros, usando os aparatos do governo estadual disponíveis.

Nessa ocasião o Sr. Carlos Eduardo residia em SC, sendo assim o Instituto No Stress iniciou suas atividades dentro daquele estado. Em sua primeira ida à Procuradoria Geral da República, o Sr. Carlos Eduardo conheceu a Dra. Ana Lucia Hartamann e a bióloga Claudia dos Santos, ambas apresentadas na ocasião pelo procurador chefe.

A partir daí o Sr. Eduardo Guedes tramitou por todos os departamentos e órgão necessários para a constituição do Instituto No Stress, conforme estatuto de 1996. Nessa ocasião, a própria Dra. Ana Lucia Hartmann e a Claudia dos Santos participaram da montagem, da estruturação e criação do organograma inicial. As mesmas, por motivos (óbvios) de pertencerem a órgãos públicos, solicitaram a retirada de seus nomes do organograma e do estatuto nos momentos seguintes, para não haver colisão com seus cargos públicos. O procurador geral de SC foi transferido para Brasília - DF, e o Sr. Carlos Eduardo Guedes, por muitas vezes, convocou a bióloga Claudia dos Santos através de cartas enviadas a Procuradoria, para a Dra Ana Lucia Hartmann, solicitando a presença da mesma e da policia ambiental no intuito de embargar ou denunciar graves crimes ambientais praticados na época.

Esses crimes eram desde denuncias a riachos poluídos, sendo desaguados em áreas marítimas, aterros sanitários clandestinos, aterros de mangues, carregamentos de areias das dunas das praias que destruíam a restinga nativa em fase avançada de reconstituição, assim como a solicitação para embargos de obras que prejudicavam de forma desestruturada o meio ambiente.

Após 5 anos de atuação em SC e arredores, e também executando várias ações ambientais como mutirões de limpeza, ações de qualidade de vida, consumo sustentável, gincanas extra-culturais e educativas, plantios de árvores, aulas de educação ambiental, adoções de praças, canteiros, realização de palestras e atuações em projetos extremamente importantes como a obrigatoriedade da separação do lixo hospitalar ao lixo comum, entre vários outros projetos relacionados ao lixo, aos aterros sanitários, à instalação de lixeiras nas praias, principalmente naquelas onde os moradores (pescadores) eram mais carentes, e à água (como um dos recursos hídricos mais importantes desse planeta), a No Stress empresa (nos anos 2000) mudou-se para o estado do Rio Grande do Sul e o Sr. Carlos Eduardo convidou os novos membros do Conselho Deliberativo, na época todos gaúchos, que comporiam um novo estatuto com CNPJ gaúcho.

Em 2004 o Instituto No Stress torna-se uma OCIP (ORGANIZAÇÃO CIVIL de INTERESSE PÚBLICO), titulo concedido pelo Ministério da Justiça a instituições de credibilidade renomada. A partir daí, o organograma e todos os membros que compunham os conselhos (fiscais, deliberativo, consultivo e a própria diretoria executiva) se constitui com personalidades da comunidade gaúcha, onde os mesmos tiveram grande participação em projetos dos quais tivemos notoridade em suas respectivas execuções.

Desde então o Instituto No Stress vem realizando várias ações em segmentos diferenciados, desde a própria energia renovável até outros projetos de relevância fundamental para sobrevivência futura do ser humano. Da sua forma, e também utilizando a própria empresa No Stress, uma das formadoras do Instituto No Stress, esta consolidada marca desempenha forte campanha pela preservação do meio ambiente em todos os seus meios de comunicação, bem como as comunidades sociais trabalhadas pela marca NO Stress, com o mesmo intuito e apoiando as atitudes e demais atos praticados por este Instituto desde a sua inauguração.

Esta luta se dá pela necessidade de um planeta auto-sustentável, mais justo, mais limpo e com qualidade de vida, trabalhando a construção do conhecimento para a educação ambiental e realizando parcerias que viabilizem recursos para execução de projetos de preservação à natureza.

O Instituto No Stress tem em seus arquivos de quase 20 anos de existência, um dossiê com muitas ações e atitudes ambientais que podem comprovar o exposto acima, porém não sem demandar muitas páginas.

'Uma atitude por mais simples que possa parecer faz toda a diferença.'

Eduardo Guedes - Presidente do Instituto No Stress



Ações Inciais do Instituto No Stress - Garopaba - SC






















Nenhum comentário:

Postar um comentário